ÁGUA: DA LÓGICA DE MERCADO À EFETIVAÇÃO COMO DIREITO HUMANO. UMA LEITURA A PARTIR DO DIREITO INTERNACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS

Sidney Cesar Silva Guerra, Vinícius Pinto Moura

Resumo


Tratamos as recentes mudanças político-jurídicas acerca da água. Incialmente entendida como elemento abundante e livre, a visão sócio-política acerca dela vem sendo transformada. Passou a ser cada vez mais compreendida sob um viés econômico-racionalista, cujos reflexos são modelos de regulação e gestão sob a égide do mercado e a permanência de um quadro de crise e violações aos direitos humanos que lhe são conexos. No século XXI, há reações e uma sensível oposição a esse modelo, com a construção de mecanismos político-jurídicos de direito internacional, a fim de proteger e definir a água como direito humano. Objetivamos avaliar essa transição.


Palavras-chave


Água; Direito à água; Direitos Humano; Direito Internacional; Direito Ambiental

Texto completo:

PDF

Referências


Referências Bibliográficas

BARLOW, M. y CLARKE, T. Oro Azul. Las multinacionales y el robo organizado de agua en el mundo. Barcelona, Paidós Controversias. 2004.

BARRAQUÉ, B. La politique européenne dans le domaine de l’eau: impact, implication, impératifs. Rev. Française de Géoéconomie. 1998/4: 125-136.

_____________. Pour une histoire des services d’eau et d’assainissement en Europe et en Amérique du Nord. Flux. (N° 97-98) 2014/3 p.4-15

CARRERA-FERNANDEZ, J. e GARRIDO, R.J. Economia dos Recursos Hídricos. Salvador, EDUFBA. 2002.

CLARKE, M.. Regulation: the Social Control of Business between Law and Politics. London. MacMillan Press. 2000.

COCKLIN, C. & BLUNDEN, G. Sustainability, Water Resources and Regulation. Geoforum, 1998/29 (1): 51-68.

CDESC – Comitê para os Direitos Econômicos, Sociais e Culturais da Organização das Nações Unidas. Comentário Geral nº 15. 2002. Disponível em: . Acesso em: 09 de maio de 2017.

GARCÍA, A. El Derecho Humano al Agua. Madrid, Editorial Trotta, 2008.

GUERRA, S. Direitos humanos: curso elementar. 4.ed. São Paulo: Saraiva, 2016.

_____________. Curso de Direito Ambiental. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2014.

_____________. Crise Ecológica na Sociedade de Risco. Revista de Direito da Cidade (Uerj), v. 5, n. 2, p. 77-105, 2013.

_____________. Direito Internacional Ambiental. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 2006.

_____________. Direito internacional dos direitos humanos. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2015.

HOBBS, G. J. Historical Perspective on Western Land and Water Law. Paper presented at the Colorado River Compact Symposium, Santa Fe, New Mexico. Processed, 1997.

MAJONE, G. (ed). Deregulation or Reregulation? Regulatory reform in Europe and United States. London: Pinter Publishers. 1990.

MATTOS, P. T. L. Regulação econômica e democracia: contexto e perspectivas na compreensão das agências de regulação no Brasil. In: FARIA, J. E. Regulação, Direito e Democracia. São Paulo: Ed. Fundação Perseu Abramo, pp. 43-66. 2002.

MCCRAW, T. K. Prophets of Regulation. Cambridge, Massachusetts, Harvard University Press. 1984.

MORAN, M. e PROSSER, T. Introduction: Politics, Privatization and Constitutions. In: Moran, M.; Prosser, T. (eds.), Privatization and Regulatory Change in Europe. Buckingham: Open University Press. 1994.

MOURA, M. G. Agências regulatórias no Brasil: os casos dos setores de telecomunicações, eletricidade e petróleo/gás natural. Revista do Serviço Público, Brasília, ano 53, nº 2, jun-mar. 2002.

MOURA, V. P. Gestão de Recursos Hídricos na Bacia do rio Paraíba do Sul: experiências e desafios da cobrança pelo uso da água. Dissertação de Mestrado (Mestrado em Geografia). Programa de Pós-graduação em Geografia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (PPGG/UFRJ). Depto. de Geografia – Instituto de Geociências/UFRJ. 2006. 178p.

NAÇÕES UNIDAS. UN World Water Development Report 2017. Disponível em: . Acesso em: 10 mai. 2017.

____________. The Millennium Development Goals Report 2015. 2015a. Disponível em: . Acesso em: 08 mai. 2017.

____________. The human rights to safe drinking water and sanitation. 2015b. Resolution adopted by the General Assembly on 17 December 2015. A/RES/70/169. Disponível em: Acesso em: 14 mai. 2017.

____________. The human right to water and sanitation. Resolution adopted by the General Assembly on 28 July 2010. 2010. A/RES/64/292. Disponível em: < http://www.un.org/en/ga/64/resolutions.shtml > Acesso em: 14 mai. 2017.

____________. The future we want. 2012. Disponível em: Acesso em: 08 mai. 2017.

____________. The Dublin Statement on Water and Sustainable Development. 1992a. Disponível em: Acesso em: 08 mai. 2017.

____________. Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. 1992b. Disponível . Acesso em: 08 mai. 2017.

____________. Agenda 21. 1992c. Disponível . Acesso em: 08 mai. 2017.

____________. Report of the United Nations Water Conference Mar de Plata, 14-25 March 1977. Disponível em: . Acesso em: 08 mai. 2017.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE – OMS. Aluminium in drinking-water. 2010. Disponível em . Acesso em 06 de maio de 2017.

____________. Antimicrobial resistance: an emerging water, sanitation and hygiene issue. 2015. Disponível em . Acesso em 06 de maio de 2017.

____________. Guidelines for drinking-water quality. 2011. Disponível em . Acesso em 06 de maio de 2017.

PERREAULT, T. From the Guerra Del Agua to the Guerra Del Gas: Resource Governance, Neoliberalism and Popular Protest in Bolivia. Antipode. 150-172. 2006.

PORTO-GONÇALVES, C. W.. El agua no se niega a nadie - la necesidad de escuchar otras voces. Polis (Santiago), v. 5, p. 39-69. 2006.

QUIRICO, O. e BOUMGHAR, M. (Ed.). Climate Change and Human Rights. An International and Comparative Law Perspective. Nova Iorque: Routledge, 2016.

RIBEIRO, W. C. Geografia Política da Água. Editora Annablume, São Paulo, 2008.

SALETH, R.M. e DINAR, A. Institutional Changes in Global Water Sector: trends, patterns, and implications. Water Policy, 2. pp. 175-199. 2000.

SATOKO, K. et al. Veio para ficar: a remunicipalização da água como uma tendência global. Unidade Internacional de Pesquisa de Serviços Públicos (PSIRU). 2015. Disponível em https://www.tni.org/sites/www.tni.org/files/download/heretostay-pt.pdf. Acesso em 25 de abril de 2017.

SHIVA, V. La Guerre de L’eau: Privatisation, Pollution et Profit. Paris. Parangon. 2003.

SIMPSON, L. W e RINGSKOG, K. Water Markets in the Americas. Directions in Development. World Bank, Washington D. C. 1997.

WINKLER, I. T. The Human Right to Water: Significance, Legal Status and Implications for Water Allocation. Oregon: Hart Publishing, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.26668/IndexLawJournals/2526-0197/2017.v3i1.2316

##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.