O Ensino Jurídico Desde o Brasil Imperial e a Necessidade de Uma Reformulação Para Melhoria da Qualidade De Aprendizagem

Caroline Rodrigues Calloto Dante, Fabrizia Angelica Bonatto Lonchiati

Resumo


O presente trabalho busca, por meio da pesquisa bibliográfica, abordar a necessidade da reformulação do ensino jurídico para melhoria da qualidade de aprendizagem. Para tanto, faz uma abordagem histórica do estudo Direito e sua visão atual, com a finalidade de demonstrar a crise existente. Promove um estudo do ensino jurídico dentro do sistema e sua avaliação e busca demonstrar a necessidade da pesquisa do Direito como forma de ensino. Igualmente, apresenta a eficácia do estudo jurídico, no sistema conhecido como Aprendizagem Baseada em Problema, com o intuito de incentivar a participação do aluno, na busca do pensamento reflexivo e crítico.


Palavras-chave


História do Direito; Ensino jurídico; Reformulação; Melhoria; Estudo por problemas

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, Roberto A. R. de. Habilidades: ensino jurídico e contemporaneidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2004.

ARAÚJO, Régis Frota (org.). Metodologia do Ensino Jurídico: propostas e debates. Fortaleza: ABC, 2010.

ARNOLDI, Paulo Roberto Colombo; OLIVEIRA, Jaqueline Robeiro. Ensino jurídico baseado em tarefa-problema. In: Pratica jurídica, Editora Consulex, 2002.

BASTOS, Aurélio Wander. O ensino jurídico do Brasil. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 1998.

BEZERRA, Roberta Teles. Ensino Jurídico e Direitos Fundamentais. Fortaleza: Expressão, 2008.

BRASIL. DECRETO N. 5.773 DE 9 DE MAIO DE 2006. Disponível em: . Acesso em: 26 de março de 2016.

BRASIL. LEI N. 8.906, DE 4 DE JULHO DE 1994. Disponível em: . Acesso em: 26 de março de 2016.

BRASIL. LEI N. 9.394 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2006. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm>. Acesso em: 26 de março de 2016.

BRASIL. LEI N. 10.861 DE 14 DE ABRIL DE 2004. Disponível em: . Acesso em: 26 de março de 2016.

CARNILI, Angelica. Aprendizagem baseada em problema e o ensino jurídico no Brasil: reflexões sobre a viabilidade desse novo paradigma. In: Anuário da Abedi, ano 2, 2004.

DALLARI, Dalmo de Abreu. O poder dos juízes. 3 ed. São Paulo: Saraiva, 2007.

DANTAS, San Tiago. A educação jurídica e a crise brasileira. In: RAMOS, Guiomar Feitosa de Albuquerque Lima (org.). Encontros da UnB: Ensino Jurídico, Brasília-DF: UNB, 1979.

DEMO, Pedro. Argumentação de autoridade x autoridade do argumento – interfaces da cidadania e da epistemologia. Tempo Brasileiro, 2005.

ENCARNAÇÃO, João Bosco da. A questão do ensino jurídico. In: ENCARNAÇÃO, João Bosco da. MACIEL, Getulino do Espírito Santo (Org.). Seis temas sobre o ensino jurídico. São Paulo: Cabral editora, 1995.

FARIA, José Eduardo. A função social da dogmática e a crise do ensino e da cultura brasileira. In: Sociologia Jurídica. Crise do Direito e Práxis Política. Rio de Janeiro: Forense, 1984, p. 184.

______. Mudar cenários e substituir paradigmas teóricos. In: Conselho Federal da OAB. OAB Ensino Jurídico: parâmetros para elevação de qualidade e avaliação. Brasília: Conselho Federal da OAB, 1993.

FERRAZ JR, Tércio Sampaio. Introdução ao Estudo do Direito: técnica, decisão e dominação. 2 ed. São Paulo, Atlas, 1994.

FRAGALE FILHO, Roberto; VERONESE, Alexandre Kehrig. A pesquisa em Direito: diagnóstico e perspectivas. RBPG. Revista Brasileira de Pós-Graduação, Brasília (DF), v. 2, p. 53-70, 2004.

GALUPPO, Marcelo Campos; FALEIROS, Thaisa Haber. A formação do docente em Direito: uma identidade desejada. Anais do XVIII Encontro Nacional do CONPEDI, 2009. Disponível em: . Acesso em: 26 de março de 2016.

HAIDT, Regina Célia Cazaux. Curso de didática geral. 7 ed. São Paulo: Ática, 2003.

INEP. Disponível em: < http://www.inep.gov.br/>. Acesso em: 26 de março de 2016.

MACIEL, Getulino do Espírito Santo. Por um ensino jurídico crítico. In: ENCARNAÇÃO, João Bosco da. MACIEL, Getulino do Espírito Santo (Org.). Seis temas sobre o ensino jurídico. São Paulo: Cabral editora, 1995.

MONTEIRO, Geraldo Tadeu Moreira. Metodologia da pesquisa jurídica: manual para a elaboração e apresentação de monografias. Rio de Janeiro, 2001.

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. Trad. de Catarina Eleonora F. da Silva e Jeanne Sawaya. 2 ed. São Paulo: Cortez, DF: UNESCO, 2000.

NADER, Paulo. O ensino jurídico e o perfil dos concursos públicos. Ensino Jurídico OAB: Formação jurídica e inserção profissional. Brasília: Conselho Federal da OAB, 2003., p. 95-99.

NOBRE, Marcos; et. al. O que é pesquisa em Direito? São Paulo: Quartier Latin, 2005.

NUNES, Rizzatto. Manual de introdução ao estudo do direito: com exercícios para a sala de aula e lições de casa. 6 ed. rev. atual. e ampl. São Paulo: Saraiva, 2005.

OLIVEIRA, José Sebastião de. O perfil do profissional do Direito neste início do século XXI. Revista Jurídica Cesumar-Mestrado, marigá, vol. 3, n.1, ano 2033, Disponível em: .Acesso em 04 abril 2016.

RODRIGUES, Horácio Wanderlei. Ensino Jurídico: saber e poder. São Paulo: Acadêmica, 1988.

______. O ensino do direito, os sonhos e as utopias. In: RODRIGUES, Horácio Wanderlei (Org.). Ensino Jurídico para que(m)? Florianópolis: Fundação Boiteux, 2000, p. 15-33.

VERBETE Educação. In: NOVO Dicionário Aurélio. Curitiba, PR: Grupo Positivo, [2004]. Cd-Rom.

VILLELA, João Baptista. Ensino do Direito: equívocos e deformações. Educação: Brasília, MEC, a. 3, n. 12, p. 40-48, abr./jun. 1974.




DOI: http://dx.doi.org/10.26668/IndexLawJournals/2526-009X/2016.v2i2.1634

##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.