OS GRAFISMOS URBANOS COMO MECANISMO DE BUSCA DO DIREITO À CIDADE SUSTENTÁVEL: UMA ANÁLISE SOB A ÓTICA DAS PRÁTICAS SUSCEDIDAS NA CIDADE DE SANTA MARIA – RS

Bruna Hundertmarch, Cristiane Pauli de Menezes

Resumo


O presente artigo tem por escopo descortinar em que medida os grafismos urbanos podem ser analisados a partir do viés da manifestação cultural, configurando uma forma legítima de busca pelo acesso à cidade sustentável. Para tanto, utilizou-se como métodos de abordagem os métodos bibliográfico e documental. A guisa de conclusão obteve-se que ao investigar o propósito inicial dos grafismos, de dar voz a quem não está sendo ouvido, conclui-se que os espaços devem ser mais do que públicos, devem ser populares, com respeito a toda a diversidade própria do mundo globalizado e plural.


Palavras-chave


Cultura; direito à cidade; grafismo; patrimônio cultural; sustentabilidade.

Texto completo:

PDF

Referências


ACSELRAD, Henri. Sentidos da Sustentabilidade Urbana. In: ACSELRAD, Henri. (Org.) A duração da cidade: sustentabilidade e risco nas políticas urbanas. Rio de Janeiro: DP&A, 2001. p. 27-56.

AHMED, Flávio. A cultura e o lazer na perspectiva da sustentabilidade das cidades. In: AHMED, Flávio; COUTINHO, Ronaldo. (Orgs.) Cidades Sustentáveis no Brasil e sua tutela jurídica. Rio de Janeiro: Editora Lumen Juris, 2009.

ARCE, José Manuel Velenzuela. Vida da barro duro: cultura popular juvenil e grafite. Tradução de Heloísa Rocha. Rio de Janeiro: UFRJ, 1999.

CANCLINI, Néstor García. Diferentes, desiguais, desconectados: mapas da interculturalidade. Tradução: Luis Sérgio Henriques. 3.ed. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2009.

CANCLINI, Néstor García. Políticas Culturales em America Latina. México: Editora Griialbo. 1987. p. 13-61.

CUNHA FILHO, Francisco Humberto. Tese. Cultura e Democracia na Constituição Federal de 1988: Representação de Interesses e a sua Aplicação ao Programa Nacional de Apoio à Cultura. 2004. 234 p. Tese (Doutorado em Direito), Faculdade de Direito, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2004.

DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Tradução: Estela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

GITAHY, Celso. O que é graffiti. São Paulo: 1999.

ECKERT, Cornelia; ROCHA, Ana Luiza Carvalho da. Aventuras antropológicas nas cidades brasileiras: na trilha das trajetórias acadêmicas das antropólogas “urbanas” Eunice Durham e Ruth Cardoso. Disponível em: . Acesso em: 27.set.2016.

FREITAS, Juarez. Sustentabilidade: Direito ao Futuro. Belo Horizonte: Fórum, 2012.

GREGORI, Isabel Christine de; LOUREIRO, Monica Michelotti. Como construir cidades sustentáveis? I Congresso Internacional de Direito Ambiental e Ecologia Política III Seminário de Ecologia Política e Direito na América Latina. 2013. p.458-469. Disponível em: . Acesso em: 07 set. 2016.

LIPOVETSKY, Gilles; SERROY, Jean. A cultura-mundo: resposta a uma sociedade desorientada. Tradução: Maria Lúcia Machado. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. Quando o campo é a cidade: fazendo antropologia na metrópole. In: Magnani, José Guilherme C. & Torres, Lilian de Lucca (Orgs.) Na Metrópole: Textos de Antropologia Urbana. São Paulo: EDUSP, 1996.

MANTOVANELI JÚNIOR, Oklinger. A sustentabilidade como projeto para a cidadania planetária. In: PHILIPPI JÚNIOR, Arlindo; SAMPAIO, Carlos Alberto Cioce; FERNANDES, Valdir. Gestão de natureza pública e sustentabilidade. Barueri: Manole, 2012.

OSÓRIO, Letícia Marques; MENEGASSI, Jacqueline. A reapropriação das cidades no Contexto da Globalização. In: Org: OSÓRIO, Letícia Marques. Estatuto da Cidade e Reforma Urbana: Novas Perspectivas para as cidades brasileiras. 2002. p.39-60.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA - UNESCO. Convenção para a Proteção do Patrimônio Mundial, Cultural e Mundial de 1972. Disponível em: . Acesso em: 25 jan. 2016.

RINK, Anita. Graffiti: Intervação Urbana e Arte. Apropriação dos Espaços dos espaços urbanos com arte e sensibilidade. Curitiba: Appris, 2013.

ROMEIRO, Ademar Ribeiro. Economia ou economia política da sustentabilidade. In. Peter May (org.) Economia do meio ambiente: teoria e prática. 2 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

SACHS, Ignacy. Estratégias de transição para o século XXI. In: BURSZTYN, Marcel (org.). Para pensar o desenvolvimento sustentável. São Paulo: Brasiliense, 1994.

SANTOS, José Luiz dos. O Que é Cultura. São Paulo: Editora Brasiliense, 1986.

SEN, Amartya. Desenvolvimento como Liberdade. Tradução Laura Teixeira Mota. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

TIBURI, Marcia. Direito Visual à Cidade: a estética da Pixação e o caso de São Paulo. Revista Ensaios. São Paulo. 2013. p. 39-53. Disponível em:. Acesso em: 16 nov. 2015.

TYBUSCH, Jerônimo Siqueira. Sustentabilidade Multidimensional: Elementos reflexivos na produção da técnica jurídico-ambiental.2011. 222 f. Tese (Doutorado. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011.

VEIGA, José Eli da. Meio ambiente e desenvolvimento. São Paulo: Senac São Paulo. 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.26668/IndexLawJournals/2525-989X/2017.v3i2.2554

##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.