Os Templos de Matriz Africana em Salvador e o Meio Ambiente Urbano

Bruno Moitinho Andrade de Souza

Resumo


O presente trabalho se destina a analisar a relação entre os Templos de Matriz Africana e o Meio Ambiente nos seus aspectos artificiais. Aprofundará a análise de perspectivas históricas dos terreiros e a formação desses locais sagrados com o desenvolvimento da cidade, especificamente em Salvador. Examinará o atual panorama do Povo de Santo na capital baiana. Os terreiros são pontos de resistência da herança africana, fazem parte da história e cultura da sociedade brasileira. Os templos afro-brasileiros estão inseridos no contexto das cidades e o ordenamento urbano deve observar a existência dos terreiros e suas dinâmicas sociais urbanas.

Palavras-chave


Meio ambiente, Artificial, Candomblé, Cultura, Cidade

Texto completo:

PDF

Referências


ABADIA, Lilia. A identidade e o patrimônio negro no Brasil. 2010, 113 p. Dissertação (Mestrado em Ciências da Cultura). Universidade de Lisboa. Lisboa, 2010.

ALBUQUERQUE, Newton; CARMO, Valter (org). Diálogo ambiental, constitucional e internacional. Fortaleza: Premius, 2013.

ALMEIDA, Jorge Luis Sacramento. Ensino/aprendizado dos alabôs: uma experiência nos terrieiros ilê axê oxumarê e zoogodô bogum malê rundó. 2009, 279 f. Tese (Doutorado em Música) – Universidade Federal da Bahia. Salvador, 2009.

ANTUNES, Paulo de Bessa. Direito Ambiental. 12 ed. Rio de Janeiro: Lúmen Juris, 2010.

BELTRÃO, Antônio. Curso de direito ambiental. São Paulo: Método, 2009.

BARROS, Elizabete Umbelino de. Línguas e Linguagens nos candomblés de nação angola. 2007, 295 f. Tese (Doutorado em Linguística e Semiótica) – Universidade de São Paulo, 2007.

BARROS, José Flávio Pessoa de. A floresta sagrada de Ossaim: o segredo das folhas. Rio de Janeiro: Pallas, 2014.

CAULA, Bleine; MARTINS, Dayse; ALBUQUERQUE, Newton; CARMO, Valter (org). Diálogo ambiental, constitucional e internacional. Fortaleza: Premius, 2013.

CHAUI, Marilena. Cultura e democracia. São Paulo: Cortez, 1997.

CONCEIÇÃO, Sueli Santos. O processo de urbanização como imperativo da reestruturação espacial e liturgia das religiões de matriz africana. 2008, 133 p. Dissertação (Mestrado em Estudos Étnicos e Africanos) – Universidade Federal da Bahia. Salvador, 2008.

CUNHA FILHO, Francisco Humberto; COSTA, Rodrigo Vieria. Direitos Culturais: definição, abrangência e doutrina in CAULA, Bleine; MARTINS, Dayse et al. Diálogo ambiental, constitucional e internacional. Fortaleza: 2013.

FERNANDES, Mariana Balen. Território quilombola e o estado: etnicidade, direitos coletivos e processos de licenciamento ambiental e identificação territorial. In: ROCHA, Julio Cesar de Sá da; SERRA, Ordep (org). Direito ambiental, conflitos socioambientais e comunidades tradicionais. Salvador: Edufba, 2015.

FIGUEREDO, Guilherme José Purvin de. Curso de Direito Ambiental. 4ª ed, rev. atual. e ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011.

GOMES, Carla Amado. Direito Ambiental: o ambiente como objeto e os objetos do direito do ambiente. Curitiba: Juruá, 2010.

GUERRA, Sidney; GERRA, Sérgio. Direito Ambiental. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 2005.

LARA, Larissa Michelle. As danças do sagrado no profano, transpondo tempos e espaços em rituais de candomblé. 1999, 220 f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 1999.

LINDOSO, Dirceu. A razão quilombola: estudos em torno do conceito quilombola de nação etnográfica. Organização por Bruno Cézar Calvalcanti. Maceió: Edufal, 2011.

LITTLE, Paul E. Territórios sociais e povos tradicionais no Brasil: por uma antropologia da territorialidade. Brasília: DAN/UnB. 2002. (Série Antropologia, 322). Disponível em: http://vsites.unb.br/ics/dan/Serie322empdf.pdf. Acessado em 01/12/2015.

LUZ, Marco Aurélio. Agadá: dinâmica da civilização africano-brasileira. 3 ed. Salvador: Edufba, 2013.

MACHADO, Paulo Affonso Leme. Direito ambiental brasileiro. 22 ed. rev. amp. atual. São Paulo: Malheiros, 2015.

MATTOS, Regiane Augusto. História e cultura afro-brasileira. São Paulo: Contexto, 2012.

M’BOKOLO, Elikia. África negra: história e civilizações. Trad. Alfedro Margarido. Rev. acad. Daniela Moreau e Valdemir Zamparoni. Salvador: Edufba, 2009.

MELO, Naurelice Maia de. Territorialidade e saber ambiental: água e mata como elementos sagrados na Represa do Prata. 2010, 130 p. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Regional e Urbano da Universidade Salvador) – Universidade Salvador. Salvador, 2010.

MILARÉ, Édis. Direito do Ambiente: a gestão ambiental em foco: doutrina, jurisprudência, glossário. 7 ed. rev. atual. e reform. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011.

NASCIMENTO, Gizêlda Melo do; NASCIMENTO, Elisa Larkin. Reflexões sobre “descobrimento” das américas. In: NASCIMENTO, Elisa Larkin. A matriz africana no mundo. São Paulo: Selo negro, 2008.

NASCIMENTO, Luiz Cláudio. Bitedô: onde moram os nagôs. Rio de Janeiro: Ceap, 2010.

OLIVEIRA, Iris Verena Santos de. Becos, ladeiras e encruzilhadas: andanças do povo de santo pela cidade de salvador. 2007, 204 p. Dissertação (Mestrado em História Social) – Universidade Federal do Ceará, 2007.

OXAGUIÃ, Vera de; KILEUY, Odé. O candomblé bem explicado: nações bantu, ioruba e fon. Organização por Marcelo Barros. Rio de Janeiro: Pallas, 2014.

PENA, Rodolfo Ferreira Alves. As múltiplas espacialidades contextuais do candomblé: estudos de geografia de religião. 2014, 128 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2014.

ROCHA, Julio Cesar de Sá da. Direito, grupos étnicos e etnicidade: reflexões sobre o conteúdo normativo de povos e comunidades tradicionais. In: ROCHA, Julio Cesar de Sá da; SERRA, Ordep (org). Direito ambiental, conflitos socioambientais e comunidades tradicionais. Salvador: Edufba, 2015.

RODRIGUES, José Eduardo Ramos. Tutela do patrimônio ambiental cultural. In: PHILIPPI JUNIOR, Arlindo; ALVES, Alaôr Caffé. Curso Interdisciplinar de direito Ambiental. São Paulo: Manole, 2005.

SANTANA FILHO, Diosmar M.; GERMANI, Guiomar Inez. A população negra no Estado: relação espaço e tempo. In: ROCHA, Julio Cesar de Sá da; SERRA, Ordep (org). Direito ambiental, conflitos socioambientais e comunidades tradicionais. Salvador: Edufba, 2015.

SANTOS, Edmar Ferreira. O poder dos candomblés: perseguição e resistência no recôncavo da bahia. Salvador: Edufba, 2009.

SANTOS, Jocelino Teles dos. Os candomblés da bahia no século XXI. Disponível em: http://www.terreiros.ceao.ufba.br/pdf/Os_candombles_no_seculo_XXI.pdf. Acessado em 01/12/2015.

SERRA, Ordep. Os olhos negros do brasil. Salvador: Edufba, 2014.

SILVA, Anderson Furlan da. Direito Ambiental. Rio de Janeiro: Forense, 2010.

SILVA, José Afonso da Silva. Direito ambiental constitucional. São Paulo: Malheiros, 1997.

SILVA, Julia Alexim da. O direito à cultura na constituição de 1988 in CAULA, Bleine; MARTINS, Dayse; ALBUQUERQUE, Newton; CARMO, Valter (org). Diálogo ambiental, constitucional e internacional. Fortaleza: Premius, 2013.

SIRVINSKAS, Luís Paulo. Manual de direito ambiental. 9 ed. rev., atual e ampl. São Paulo: Saraiva, 2011.

SOUZA, Bruno Moitinho Andrade de; SANTOS, Clarissa Pereira Gunça dos; SOUSA, Sue Safira Andrade de. Os terreiros de candomblé em salvador: a colaboração do tombamento para a preservação do espaço natural. In: ROCHA, Julio Cesar de Sá da; SERRA, Ordep (org). Direito ambiental, conflitos socioambientais e comunidades tradicionais. Salvador: Edufba, 2015.

ZAMBUZZI, Mabel. O espaço material e imaterial do Candomblé na Bahia: o que é e como proteger. 2010, 143 p. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade Federal da Bahia. Salvador, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.26668/IndexLawJournals/2525-989X/2016.v2i1.495

##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.