O “Viver Verde” como um “Viver com Qualidade”: A Nova Roupagem Estratégica dos Empreendimentos Imobiliários, Ante a Lacuna Existente entre a Legislação e a Urbanização, em Salvador-BA

Rafaela Campos de Oliveira, Juliana Campos de Oliveira

Resumo


A sociedade de risco ilustra vulnerabilidade socioambiental nas grandes cidades. Em que pese elenco de leis dirigidas à gestão municipal, o Poder Público municipal, ineficiente em sanar demandas sócio-ambientais na urbe, retarda qualificação da vida urbana, promovendo lacuna. Nesta lacuna, o mercado imobiliário oferece: “viver-bem, próximo à natureza”, por “estratégia verde”, Greenwashing Imobiliário, persuadindo opinião pública, burlando legislação urbanístico-ambiental vigente. Em Salvador, Bahia, mercado imobiliário apropriase dos recursos ambientais, a exemplo, Orla Atlântica soteropolitana. Utilizando pesquisa bibliográfica, exploratória de fontes primárias e secundárias, propõe-se discutir fenômeno da instrumentalização do bem ambiental e do discurso ecológico pelos empreendimentos imobiliários nesta capital.

Palavras-chave


Qualidade de vida, Legislação urbano-ambiental, Gestão municipal, Sociedade de risco, Greenwashing imobiliário

Texto completo:

PDF

Referências


ALFONSIN, Betânia de Moraes. A Política Urbana em disputa: desafios para a efetividade de novos instrumentos em uma perspectiva analítica de Direito Urbanístico Comparado (Brasil, Colômbia e Espanha). Tese (Doutorado em Planejamento Urbano e Regional). Programa de Pós-Graduação em Planejamento Urbano e Regional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

ANGELO, Cláudio. Há abuso no uso de „sustentabilidade‟, diz criadora do termo. Folha de São Paulo, São Paulo, 22 mar. 2012, Ambiente. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/ambiente/2012/03/1065497-ha-abuso-no-uso-desustentabilidade-diz-criadora-do-termo.shtml. Acesso em: 10 nov. 2014.

BARROSO, Daniella Almeida. O verde como estratégia de valorização imobiliária: a formação de um projeto urbanístico em São Paulo. Cadernos Metrópole, São Paulo, n. 18, p. 157-172, 2007. Disponível em: http://www.cadernosmetropole.net/download/cm_artigos/cm18_109.pdf. Acesso em: 20.07.2014.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 29.09.2014.

______. Lei nº 10.257, de 10 de julho de 2001. Dispõe sobre o Estatuto das Cidades e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10257.htm. Acesso em: 29.09.2014.

CARVALHO, Inaiá Maria Moreira de; PEREIRA, Gilberto Corso. As “cidades” de Salvador. In: CARVALHO, Inaiá Maria Moreira de; PEREIRA, Gilberto Corso (Orgs.). Como anda Salvador e sua região metropolitana. Salvador: Edufba, p. 81 – 107, 2008.

CASTELLS, Manuel. A questão urbana. Tradução: Arlene Caetano. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

CASTRO, Raquel Araújo. A hermenêutica constitucional americana na sociedade pósmoderna: uma contribuição para a defesa do meio ambiente. Revista de Direito Ambiental, São Paulo, n. 32, p.145-158, 2003.

CIDADE, Lucia Cony Faria. Política, sociedade e ambiente: caminhos entrelaçados na pesquisa urbana e regional. In: RIBEIRO, Ana Clara Torres; LIMONAD, Ester; GUSMÃO, Paulo Pereira de (Orgs.). Desafios ao Planejamento: produção da metrópole e questões ambientais. Rio de Janeiro: Letra Capital/ANPUR, 2013, p. 137-153.

COSTA, Heloísa soares de Moura. A trajetória da temática ambiental no planejamento urbano no Brasil: o encontro de racionalidades distintas. in: COSTA, Geraldo Magela; MENDONÇA, Jupira Gomes de (Orgs.). Planejamento urbano no Brasil: trajetória, avanços e perspectivas. Belo Horizonte: C/Arte, 2008, p. 80-92.

FREITAS, Willian de Souza. A impossibilidade jurídica da instituição do loteamento fechado. In: DALLARI, Adilson Abreu; DI SARNO, Daniela Campos Lobório (coord.). Direito Urbanístico e Ambiental. Belo Horizonte: Fórum, p. 245 – 267, 2011.

GOLDBLATT, David. Teoria social e ambiente. Tradução: Ana Maria André. Lisboa: Instituto Piaget, 1996.

GORDILHO-SOUZA, Angela. Limites do habitar: segregação e exclusão na configuração urbana contemporânea de Salvador e perspectivas no final do século XX. 2. ed. Salvador: Edufba, 2008.

HARRIBEY, Jean-Marie. Criar riqueza, não valor. Le Monde Diplomatique Brasil, São Paulo, fevereiro de 2014. Sobre capitalismo e morcegos.

HARVEY, David. Espaços de Esperança. São Paulo: Loyola, 2000.

HENRIQUE, Wendel. O Direito à Natureza na Cidade. Salvador: Edufba, 2009.

HOFFMAN, Jane; HOFFMAN, Michael. What is Greenwashing? Scientific American, 1º abr. 2009, Energy & Sustainability. Disponível em: http://www.scientificamerican.com/article/greenwashing-green-energy-hoffman/. Acesso em: 10 nov. 2014.

IVO, Any Brito Leal. Jardins do Éden: Salvador, uma cidade global-dual. Caderno CRH. Salvador, n. 64, p. 131-146, 2012.

KOWARICK, Lúcio. Espoliação Urbana. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

LEFEBVRE, Henri. O Direito à Cidade. 5.ed. São Paulo: Centauro, 2011.

LEITE, José Rubens Morato; AYALA, Patryck de Araújo. Dano Ambiental: do individual ao extra patrimonial. 3. Ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2010.

______. Direito Ambiental na Sociedade de Risco. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2002.

LOBODA, Carlos Roberto; DE ANGELIS, Bruno Luiz Domingos. Áreas verdes públicas urbanas: conceito, usos e funções. Revista do Centro de Ciências Agrárias e Ambientais(Ambiência), Guarapuava, n. 1, p. 125-139, 2005. Disponível em: http://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&frm=1&source=web&cd=1&ved=0

CCEQFjAA&url=http%3A%2F%2Frevistas.unicentro.br%2Findex.php%2Fambiencia%2Farticle%2Fdownload%2F157%2F185&ei=Db7gUzZIYmhyATWhYGADw&usg=AFQjCNFQanfWlPRf8w3qhf-2y8kWTIlQZw&bvm=bv.72197243,d.aWw. Acesso em: 11.02.2013.

MARICATO, Ermínia. As idéias fora do lugar e o lugar fora das idéias: planejamento urbano no Brasil. In: ARANTES, Otília Beatriz Fiori; VAINER, Carlos B.; MARICATO, Ermínia (Orgs.). A cidade do pensamento único: desmanchando consensos. 3.ed. Petrópolis: Vozes, 2002, p. 121-192.

______. Brasil, cidades: alternativas para a crise urbana. Petrópolis: Vozes, 2001.

______. O impasse da política urbana no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2011.

MARTINS, Maria Lucia Refinetti. São Paulo, centro e periferia: a retórica ambiental e os limites da política urbana. Revista Estudos Avançados,São Paulo, n. 71, p. 1-10, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142011000100005 . Acesso em: 03.03.2013.

______.Sociedade e natureza no meio ambiente urbano. In: RIBEIRO, Ana Clara Torres; LIMONAD, Ester; GUSMÃO, Paulo Pereira de (Orgs.). Desafios ao Planejamento: produção da metrópole e questões ambientais. Rio de Janeiro: Letra Capital/ANPUR, 2013, p. 154-170.

MENEZES, Paulo Roberto Brasil Teles de. O direito do ambiente na era de risco: perspectivas de mudança sob a ótica emancipatória. Revista de Direito Ambiental, São Paulo, n. 32, p. 123 – 144, 2003.

POLONSKY, Michael Jay. An Introduction To Green Marketing. Electronic Green Journal, Califórnia, 1994. Disponível em: http://escholarship.org/uc/item/49n325b7. Acesso em: 05 nov. 2014.

ROCHA, Luiz Carlos. Políticas Públicas de lazer no Subúrbio Ferroviário: (in)visibilidade na dinâmica da cidade de Salvador. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade do Estado da Bahia, Salvador, 2003. Disponível em: http://www.cdi.uneb.br/pdfs/dissertacao/2003/luiz_carlos_rocha.pdf. Acesso em: 20.09.2012.

SALAZAR JR., João Roberto. O Direito Urbanístico e a tutela do meio ambiente urbano. In: DALLARI, Adilson Abreu; DI SARNO, Daniela Campos Libório (Coord.). Direito Urbanístico e Ambiental. Belo Horizonte: Fórum, 2011, p. 137 - 150.

SANT‟ANNA, Mariana Senna. Planejamento Urbano e Qualidade de Vida – da Constituição Federal ao Plano Diretor. In: DALLARI, Adilson Abreu; DI SARNO, Daniela Campos Libório (Coord.). Direito Urbanístico e Ambiental. Belo Horizonte: Fórum, 2011, p. 117–136.

SANTOS, Milton. Território e sociedade. Entrevista com Milton Santos. 2. ed. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2000.

SERPA, Angelo. Apropriação social versus requalificação dos parques e praças na capital baiana. In: ESTEVES JUNIOR, Milton; URIARTE, Urpi Montoya (Orgs.). Panoramas Urbanos: reflexões sobres a cidade. Salvador: Edufba, 2003, p. 121 - 139.

______. Gestão Territorial do sistema de parques públicos em Salvador, Bahia: contradições e paradoxos. Revista Raega, o espaço geográfico em análise, Curitiba, n. 12, p. 7-19, 2006. Disponível em: http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs-2.2.4/index.php/raega/article/view/6208/7252. Acesso em: 12.03.2013.

______. O espaço público na cidade contemporânea. São Paulo: Contexto, 2011.

SILVA, José Afonso da. Direito Urbanístico Brasileiro. 6. ed. São Paulo: Malheiros, 2010.

______. Direito Ambiental Constitucional. 9. ed. São Paulo: Malheiros, 2011.

SIRVINSKAS, Luís Paulo. Manual de Direito Ambiental. 10. ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

SOUZA, Demétrius Coelho. O meio ambiente das cidades. São Paulo: Atlas, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.26668/IndexLawJournals/2525-989X/2016.v2i1.497

##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.