História, Cultura e Memória: A Literatura de Nísia Floresta Como Fonte do Direito das Mulheres

Alana Lima de Oliveira

Resumo


Partindo do pressuposto de que a atividade de tradução é envolvida por um processo dinâmico, em constante movimento, capaz de mobilizar saberes, incompatível, portanto, com a ideia fixa, estável e universal da tradução literal, a qual foi pregada durante muitos anos pela teoria tradicional da tradução, foi possível concluir que a tradução cultural operada por Nísia Floresta ao texto fundante do feminismo no Brasil, embora não se trate de um texto jurídico e sim literário, contribui para a afirmação histórica dos direitos humanos das mulheres, assim como representa um efeito daquilo que se pode chamar de viagem cultural do direito.

Palavras-chave


História do Direito Das Mulheres; Feminismo; Tradução Cultural.

Texto completo:

PDF

Referências


CASTRO, Marcelle de Souza. Tradução, ética e subversão: desafios práticos e teóricos. Dissertação (Mestrado em Letras) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2007.

DÉPÊCHE, Marie-France. A Tradução Feminista: Teorias e Práticas Subversivas. Nísia Floresta e a Escola de Tradução Canadense. Revista Textos de História, Vol. 8, n. 1/2. p. 157-188. Universidade de Brasília – Unb. 2000. Disponível em: http://periodicos.unb.br/index.php/textos/article/viewFile/5908/4885. Acessado em: 20 jul. 2014.

DUARTE, Constância Lima. Nísia Floresta: vida e obra. 2ª ed. Natal: Editora Universitária (UFRN), 2008.

________, Constância Lima. Nísia Floresta e Mary Woolstonecraft: diálogo ou apropriação? Revista de Literatura Brasileira - O eixo e a roda, vol.7. p. 153-161. UFMG. 2001.

FARIA, Johnwill Costa. Of mice and men, de John Steinbeck: a oralidade na literatura como problema de tradução. Dissertação (Mestrado em Letras) - Universidade de Brasília. Departamento de Línguas Estrangeiras e Tradução. Brasília, 2009.

FLORESTA, Nísia. Direitos das Mulheres e Injustiça dos Homens. Ed. atualizada com Introdução, Notas e Posfácio de Constância Lima Duarte. São Paulo: Cortez editora, 1989.

INDURSKY, Freda. FERREIRA, Maria Cristina. Michel Pêcheux e a Análise do Discurso: uma relação de nunca acabar. São Carlos-SP: Claraluz, 2005.

LOTBINIÈRE-HARWOOD, Susanne de. Re-belle et infidèle/The body bilingual. 1. ed. Montreal: Les éditions du remue-ménage; Toronto: Women's Press, 1991.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise de Discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, 1999.

PALLARES-BURKE, Maria Lúcia Garcia. Nísia Floresta. O carapuceiro e outros ensaios de tradução cultural. São Paulo: Hucitec, 1996.

PÊCHEUX, Michel. O Discurso: Estrutura ou Acontecimento. Trad. Eni Puccinelli Orlandi. 5ª ed. Campinas, SP: Pontes, 2008.

POSSENTI, Sírio. Discurso, estilo e subjetividade. 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

SOUZA, José Pinheiro de. Teorias da Tradução: uma visão integrada. Revista de Letras. nº 20. vol 1/2. p. 51-67. Universidade Federal do Ceará – UFC. Jan/dez. 1998. Disponível em: http://www.revistadeletras.ufc.br/rl20Art09.pdf. Acessado em: 17 Jul. 2014

WOLLSTONECRAFT, Mary. Reivindicação dos direitos da mulher. Trad. Ivania Pocinho Motta. 1ª Ed. São Paulo: Boitempo, 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.26668/IndexLawJournals/2525-9911/2016.v2i2.1328

##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.