DIALÉTICA ENTRE DIREITO E RECONHECIMENTO: A PERCEPÇÃO BIOÉTICA DAS QUESTÕES DE GÊNERO

Delmo Mattos da Silva

Resumo


Ante o discurso de igualdade de gêneros presente no Direito contemporâneo, a Bioética é constantemente desafiada pela necessidade de incluir as variadas nuanças dos processos culturais nos espaços de deliberação afetos ao aperfeiçoamento científico e seus dilemas. Assim, a consideração das diversidades é elemento imprescindível para embasar os direitos emergentes desses novos conflitos, condizentes com a complexidade relacional da modernidade. Nesse sentido, o presente estudo buscou embasar a percepção bioética diferenciações de gênero, abordagem apta a lidar com assimetrias relacionais e contribuir para o aperfeiçoamento ético das sociedades complexas contemporâneas, adotando-se, para tanto, revisão de literatura.


Palavras-chave


Bioética; Gênero; Direito Contemporâneo; Diversidades; Justiça.

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, S. N (Org.). Bioética no Brasil: Bioética em Debate Aqui e lá Fora. Brasília: IPEA, 2011.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70 Ltda, 1977.

BEAUVOIR, S. O Segundo Sexo: Fatos e Mitos. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1960.

CAPELLA, J. R. Os Cidadãos Servos. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris, 1998.

CARLOS, P. P. de. Bioética e Biodireito: Discursos Jurídicos acerca do Aborto por Grave Anomalia Fetal. 2007. 152 f. Dissertação de Mestrado em Direito. Programa de Pós-Graduação em Direito, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2007.

CORRÊA, M. C. D.V; ARÁN, M. Tecnologia e Normas de Gênero: Contribuições para o Debate da Bioética Feminista. Revista Bioética, 2008 16 (2): p. 191 – 206.

DALLARI, D. Bioética e Direitos Humanos. In: STEPKE, F. L; PESSINI, L; SEPÚLVEDA, A. Q. Perspectivas de la Bioética em Iberoamérica. Programa de Bioética de La Organización Panamericana de La Salud, 2007.

DINIZ, D; GUILHEM, D. La Bioética y las Mujeres em América Latina: Um Ensayo Biográfico y Genealógico In: STEPKE, F. L; PESSINI, L; SEPÚLVEDA, A. Q. Perspectivas de la Bioética em Iberoamérica. Programa de Bioética de La Organización Panamericana de La Salud, 2007.

DINIZ, D; VÉLEZ, A. C. G. Bioética Feminista: a Emergência da Diferença. DADOS-Revista de Ciências Sociais. Vol. 40, n 23, 1997.

DINIZ, D; GUILHEM, D. O que é Bioética. São Paulo: Brasiliense, 2002.

FERREIRA, S. I; COSTA, G. O; VOLNEI, G. A Bioética no Século XXI In: FERREIRA, S. I; COSTA, G. O; VOLNEI, G. (Coord.) Iniciação à Bioética. Brasília: Conselho Federal de Medicina, 1998.

FOUCAULT, M. História da Sexualidade I: a Vontade de Saber. Rio de Janeiro: Graal, 2011.

FOUCAULT, Michel. A Verdade e as Formas jurídicas. 2.ed. Rio de Janeiro: Nau Ed., 1999.

GILLIGAN, C. In a Different Voice: Psychological Theory and Women‟s Development. Cambridge: Harvard, 1982.

HONNETH, A. Luta por Reconhecimento. A Gramática Moral dos Conflitos Sociais. São Paulo: Editora 34, 2009.

KHUSE, H. Caring: Nurse, Womenandethics. Oxford: Blackwell Publishers, 1997.

KUHNEN, T. A.. Epistemologia Feminista e a Reconfiguração da Filosofia Moral. Sapere Aude: Revista de Filosofia, v. 5, p. 196-209, 2014.

LIMA, Vanessa Aparecida Alves de. De Piaget a Gilligan: retrospectiva do desenvolvimento moral em psicologia um caminho para o estudo das virtudes. Psicol. cienc. prof., Brasília, v. 24, n. 3, p. 12-23, set. 2004 . Disponível em . acessos em 19 ago. 2017. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932004000300003.

MELO, R. O Uso Público da Razão como Procedimento: Um contraste entre Rawls e Habermas. Dois Pontos, Curitiba, São Carlos, vol. 5, n. 2, p.113-141, outubro, 2008.

NODDINGS, N. O Cuidado: Uma Abordagem Feminina à Ética e à Educação Moral. São Leopoldo: Unisinos, 2003.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E CULTURA DIVISÃO DE ÉTICA DAS CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS SECTOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS. Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos. Comissão Nacional da UNESCO - Portugal, 2006.

RAWLS, J. O Liberalismo Político. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

SAFFIOTII, H. O Poder do Macho. São Paulo: Editora Moderna, 1987.

SCHOPENHAUER, A. Dores do Mundo. Rio de Janeiro: Ediouro, 2014.

VOLNEI, G. Bioética e Ciência: Até onde Avançar sem Agredir in: FERREIRA, S. I; COSTA, G. O; VOLNEI, G. (Coord.) Iniciação à Bioética. Brasília: Conselho Federal de Medicina, 1998.

WARREN, K. J. Feminismand Ecology: Making Connections.

Environmental Ethics, v. 9, n. 1, p. 3-20, Spring 1987.




DOI: http://dx.doi.org/10.26668/IndexLawJournals/2525-9695/2017.v3i2.2553

##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.