A JUSTIÇA AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO NO COMBATE A DISTRIBUIÇÃO DESIGUAL DO RISCO ECOLÓGICO EM SOCIEDADES DITAS PERIFÉRICAS

Luís Marcelo Mendes, Jerônimo Siqueira Tybusch

Resumo


O artigo analisa a atuação da justiça ambiental como mecanismo de luta contra a distribuição desigual do risco ecológico no intuito de assegurar o acesso ao meio ambiente sadio e equilibrado. A pesquisa se utiliza do método dedutivo assessorada por premissas dialéticas para vislumbrar um diagnóstico sobre a problemática. Em um primeiro, momento analisar-se-á a precarização da condição humana e seus desdobramentos na distribuição desigual do risco ecológico e na proliferação da injustiça ambiental. Posteriormente, verificar-se-á a atuação da justiça ambiental como instrumento de luta contra a geopolítica da propagação da desigualdade ecológica em sociedades ditas periféricas.


Palavras-chave


Justiça ambiental; Risco ecológico; Desigualdade ecológica

Texto completo:

PDF

Referências


ACSELRAD, Henri. JUSTIÇA AMBIENTAL – novas articulações entre meio ambiente e democracia. Disponível em: . Acesso em: 02 Jul. 2017.

ACSELRAD, Henri; MELLO, Cecília Campello do Amaral; BEZERRA, Gustavo das Neves. O que é Justiça Ambiental?. Rio de Janeiro: Garamond, 2009.

ARENDT, Hannah. A condição humana. 10.ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.

BAUMAN, Zygmunt. O mal-estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 1998.

BECK, Ulrich. Sociedade de risco: rumo a uma outra modernidade. São Paulo: Editora 34, 2011.

CASTEL, Robert. As armadilhas da exclusão. In: BOGUS, Lucia. Desigualdade e a questão social. São Paulo: EDUC, 2000.

CASTELLS, Manuel. A sociedade de rede – a era da informação: economia, sociedade e consumo. 6.ed. São Paulo: Paz e Terra, 2006.

FROTA, Henrique Botelho Frota; MEIRELES, Antônio Jeovah de Andrade. A justiça ambiental como paradigma para as políticas de desenvolvimento urbano no Brasil. Disponível em: . Acesso em: 02 Jul. 2017.

FOUCAULT, Michel. Nascimento da Biopolítica. Curso dado no Collège de France (1978- 1979). São Paulo: Martins Fontes, 2008.

GIDDENS, Anthony. Mundo em descontrole. 3.ed. Rio de Janeiro: Record, 2007

KELSEN, Hans. Teoria Pura do Direito. 2.ed. Tradução João Baptista Machado. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

LEFF, Enrique. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. 11.ed. Petrópolis: Vozes, 2015.

MÉSZÁROS, István. O poder da ideologia. São Paulo: Boitempo, 2004.

PIKETTY, Thomas. A economia da desigualdade. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2015.

RAWLS, John. Uma Teoria de Justiça. 2.ed. Martins Fontes, 2002.

SANTOS, Laymert Garcia dos. Politizar as novas tecnologias: o impacto sociotécnico da informação digital e genética. São Paulo: Editora 34, 2011.

SMITH, Adam. The Theory of Moral Sentiments. 6.ed. São Paulo: Metalibri, 2006.

TYBUSCH, Jerônimo Siqueira. Sustentabilidade Multidimensional: Elementos Reflexivos na produção da Técnica Jurídico-Ambiental. Tese de Doutorado – Universidade Federal de Santa Catarina, 2012.

TYBUSCH, Jerônimo Siqueira; AGNE TYBUSCH, Francielle Benini. Ecologia Política, Redes Colaborativas e Justiça Ambiental no Brasil. In: Direito & Novas Mídias. OLIVEIRA, Rafael dos Santos; SILVA, Rosane Leal da. (Orgs). Curitiba: Íthala, 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.26668/IndexLawJournals/2525-9687/2017.v3i2.2534

##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.