O Empirismo Jurídico: A Escola Histórica e os Obstáculos Epistemológicos à Cientificidade do Direito

Pedro Miron de Vasconcelos Dias Neto, Emmanuel Teófilo Furtado

Resumo


O objetivo principal desta pesquisa acadêmica dirige-se ao estudo das premissas, dos fundamentos teórico-valorativos e dos eventuais óbices epistemológicos do empirismo jurídico à ciência jurídica, principalmente na perspectiva da realidade social do Direito. Por outro giro, reconhece-se a importância da Escola Histórica do Direito enquanto marco de transição do jusnaturalismo para o juspositivismo, bem como a promoção da valorização do produto histórico e espontâneo peculiar a cada povo. Utiliza como referencial teórico a doutrina de Karl Popper, assimilando dois problemas fundamentais que permeiam a teoria do conhecimento: (1) pode-se saber mais do que se sabe? e (2) quando uma ciência não é uma ciência? Com efeito, sob a análise empírico-jurídico-histórica, perquire-se: enunciados factuais que se baseiam sobretudo na experiência podem ser válidos universalmente? Desta forma, através de pesquisa bibliográfica, do método dialético e do exame crítico, pretende-se concatenar algumas possíveis reflexões sobre os assuntos ora propostos.


Palavras-chave


Empirismo jurídico; Escola histórica do direito; Epistemologia; Ciência do direito

Texto completo:

PDF

Referências


ATLAN, Henri. Será que a ciência cria valores? O bom, o verdadeiro e o poeta. In: PESSIS-PASTERNAK, Guitta. A ciência: Deus ou Diabo? Tradução de Edgard de Assis Carvalho e Mariza Perassi Bosco. São Paulo: Unesp, 2001, p.183-185.

BITTAR, Eduardo Carlos Bianca; ALMEIDA, Guilherme Assis de. Curso de filosofia do direito. São Paulo: Atlas, 2010.

BOBBIO, Norberto. O Positivismo Jurídico: lições de filosofia do direito. Tradução de Mário Pugliesi. São Paulo: Ícone, 1995.

BONAVIDES, Paulo. Do Estado Liberal ao Estado Social. 9ed. São Paulo: Malheiros, 2009.

CRUZ, Álvaro Ricardo de Souza. O discurso científico na modernidade: o conceito de paradigma é aplicável ao direito? Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2009.

DEL VECCHIO, Giorgio. Lições de Filosofia do Direito. 5ed. Tradução de Antônio José Brandão. Coimbra, 1979.

HESPANHA, António Manuel. Cultura jurídica europeia: síntese de um milênio. 3ed., Mira-Sintra: Publicações Europa-América, 2003.

MARQUES NETO, Agostinho Ramalho. A ciência do direito: conceito, objeto, método. 2ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2001.

NADER, Paulo. Filosofia do Direito. 19ed. Rio de Janeiro: Forense, 2010.

POPPER, Karl. A lógica das ciências sociais. Tradução de Estêvão de Rezende Martins. 3ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2004, p. 33.

_______. A vida é aprendizagem. Epistemologia evolutiva e sociedade aberta. Tradução de Paula Taipas. Lisboa: Edições 70, 2001.

_______. Os dois problemas fundamentais da teoria do conhecimento. Tradução Antônio Lanni Segatto. 1ed. São Paulo: Editora Unesp. 2013.

_______. Realismo. In: MILLER, David (Org.). Popper: textos escolhidos. Tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Contraponto, 2010, p.220-221.

PRIGOGINE, Ilya. O fim das certezas: tempo, caos e as leis da natureza. São Paulo: Unesp, 1996. Prólogo.

REALE, Miguel. Filosofia do Direito. 19ed. São Paulo: Saraiva, 1999.

ROSS, Alf Niels Christian. Direito e justiça. Tradução de Edson Bini. Bauru: Edipro, 2000.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Um discurso sobre as ciências. 7ed. Porto: Edições afrontamento, 1995.

SEGUNDO, Hugo de Brito Machado. Epistemologia falibilista e teoria do direito. RIDB. Ano 3 (2014), nº 1, 197-260 / http://www.idb-fdul.com/ ISSN: 2182-7567.

_______. Fundamentos do direito. São Paulo: Atlas, 2010.

VASCONCELOS, Arnaldo. Teoria da norma jurídica. 3ed. São Paulo: Malheiros, 1993.




DOI: http://dx.doi.org/10.26668/IndexLawJournals/2525-9636/2015.v1i1.1

##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.