“Esquemas” do direito das famílias, a intertextualidade entre o jurídico e o imaginário popular, uma análise do afeto: a importância das construções jurídicas, diante da inércia do Poder Legislativo brasileiro.

Alfredo Emanuel Farias de Oliveira Oliveira

Resumo


Em janeiro do presente ano, ocorreu o lançamento da canção composta por Umberto Tavares, Jeferson Júnior e Romeu, cantada por Nego do Borel, com participação de Anitta e Wesley Safadão, denominada “Você partiu meu coração”. Nela nota-se a intertextualidade entre a letra da música citada, representativa do imaginário popular e as transformações operadas no direito das famílias produto que deve ser estudado. Resultado de pesquisa teórica e descritiva. com técnica de análise de conteúdo, para delimitar construções jurídicas e suas implicações sociais, a criação dos vários “esquemas,” investigou-se: o reconhecimento das famílias homoafetivas, poliafetivas e parentalidade socioafetiva.


Palavras-chave


Direito das Famílias; afeto; poliafetividade; parentalidade; casamento

Texto completo:

PDF

Referências


AFETO. In: AULETE DIGITAL. Disponível em: . Acesso em: 08 jul. 2017.

ARAGUAIA, Mariana. Poliamor. Brasil Escola. Disponível em: . Acesso em: 18 set. 2010.

ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO DO IBDFAM. Escritura reconhece união afetiva a três. 2012. Disponível em: . Acesso em: 3 jul. 2017.

AULETE, Caldas. DICIONARIO CALDAS AULETE DA LÍNGUA PORTUGUESA, 2009. Edição de bolso.

BERQUÓ, Elza. Arranjos familiares no Brasil: uma visão demográfica. In: História da Vida Provada no Brasil. Lilia Moritz Schwarcz (Org.). São Paulo: Companhia das Letras, 1998. v. 4.

BRITO, Carlos Ayres. O Humanismo como categoria constitucional. 1 ed. Belo Horizonte: Fórum, 2010.

CARBONERA, Silvana Maria. O papel jurídico do afeto nas relações familiares. In: FACHIN, Luiz Edson. Repensando fundamentos do direito civil brasileiro contemporâneo. São Paulo: LTr, 2000, p. 297.

CARDOSO, Oscar Valente. Visão Jurídica. 63 ed. 2011. p. 77.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Provimento nº 37. Dispõe sobre o registro de união estável, no Livro “E”, por Oficial Registro Civil das Pessoas Naturais. Disponível em: . Acesso em: 2 jul. 2017.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Resolução nº175. Dispõe sobre a proibição e recusa em realizar casamento e reconhecimento de união estável homoafetivos. Disponível em: . Acesso em: 2 jul. 2017.

CORREGEDORIA NACIONAL DE JUSTIÇA. Corregedoria analisa regulamentação do registro de uniões poliafetivas. 2016. Disponível em: . Acesso em: 2 jul. 2017.

DIAS. Maria Berenice. Manual de direito das famílias. 11. ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2016.

FACHIN, Luiz Edson. Vínculo Parental Parabiológico e Irmandade Socioafetiva. Revista dos Tribunais. Soluções Práticas. v. 2, p. 159, jan. 2012.

__________________ Teoria Crítica do direito civil. Rio de Janeiro: Editora Renovar, 2003.

FARIAS, Cristiano Chaves de. A Família da Pós-Modernidade: em busca da dignidade perdida da pessoa humana. Revista de Direito Privado. v. 19, jul./set. 2004.

FREUD, S. (2004a). Nouvelles suite des leçons d’introdution à la psychanalyse. In: Freud S. Oeuvres complètes psychanalyse. OCF.P, v. 19. Paris: PUF. : Disponível em> . Acesso em: 13 jul. 2017. (Trabalho original publicado em 1933)

GAGLIANO, Pablo Stolze. Direitos da(o) amante – na teoria e na prática (dos Tribunais). Revista IOB de Direito de Família. São Paulo, v. 9, n. 49, p. 51-61, ago. 2008.

HIRONAKA, Giselda Maria Fernandes Novaes. Sobre peixes e afeto – um devaneio sobre a ética no Direito de Família: Família e Dignidade Humana. Anais do V Congresso Brasileiro de Direito de Família: Família e Dignidade Humana. São Paulo: IOB Thompson, 2006.

LALANDE, André. Vocabulário técnico e crítico da filosofia. Tradução de Fática Sá Correia, Maria Emília V. Aguiar, José Eduardo Torres, Maria Gorete Souza. 3 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

LÔBO, Paulo Luiz Netto. A Repersonalização das Relações de Família. Revista de Direito Privado. v. 19, p. 243-259, jul./set. 2004.

MADALENO, Rolf. In: Curso de Direito de Família. 4 ed. Rio de Janeiro: Forense, 2011. p. 471.

MINAS GERAIS. Supremo Tribunal de Justiça. Sociedade de fato. Homossexuais. Partilha do bem comum. O parceiro tem o direito de receber a metade do patrimônio adquirido pelo esforço comum, reconhecida a existência de sociedade de fato com os requisitos no art. 1363 do Código Civil. Responsabilidade civil. Dano moral. Assistência ao doente com Aids. Improcedência da pretensão de receber do pai do parceiro que morreu com Aids a indenização pelo dano moral de ter suportado sozinho os encargos que resultaram da doença. Dano que resultou da opção de vida assumida pelo autor e não da omissão do parente, faltando o nexo de causalidade. Art. 159 do C. Civil. Ação possessoria julgada improcedente. Demais questões prejudicadas. Recurso conhecido em parte e provido. REsp 148.897/MG, 4ªT, Relator: Ministo Ruy Rosado de Aguiar. 10/02/1998. Disponível em: . Acesso em: 2 jul. 2017.

PERLINGIEI, Pietro. Perfis do Direito Civil: introdução ao Direito Civil Constitucional. Tradução de Maria Cristina de Cicco. 3. ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2007. p. 244.

RIO DE JANEIRO (Estado). Superior Tribunal de Justiça. Direito civil. Ação de reconhecimento e dissolução de sociedade de fato entre pessoas do mesmo sexo. Efeitos patrimoniais. Necessidade de comprovação do esforço comum. REsp 773.136/RJ, 3ªT. Relatora: Ministra Nancy Andrighi, J. 10/10/2006. Disponível em: . Acesso em: 2 jul. 2017.

RIO GRANDE DO SUL. Superior Tribunal De Justiça. Recurso Especial nº 1.383.408 - RS (2012/0253314-0) Relatora: Ministra Nancy Andrighi. Disponível em: . Acesso em: 8 jul. 2017.

RIO GRANDE DO SUL. Superior Tribunal de Justiça. Recurso Especial. Relacionamento mantido entre homossexuais. Sociedade de fato. Dissolução da sociedade. Partilha de bens. Prova. Esforço comum. REsp. 648.763/RS, 4ªT. Relator: Ministro César Asfor Rocha. 07/12/2006. Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/8952238/recurso-especial-resp-648763-rs-2004-0042337-7/inteiro-teor-14122320>. Acesso em: 3 jul. 2017.

SANCHÉZ, Emílio M. Beltrán. MORENO, F. Javier Orduna. Curso de Derecho Privado. 4. ed. Valencia: Tirant Le Blanch Livros, 2000. p.29.

SANTA CATARINA. Supremo Tribunal Federal. Recurso Extraordinário nº 898060 Min. Luiz Fux. Disponível em: . Acesso em: 8 jul. 2017.

SOUZA, Gisela. Tabeliã diz que registro de união poliafetiva é evolução do direito de família. Revista Consultor Jurídico. 2016. Disponível em: . Acesso em: 2 jul. 2017.

TAVARES, Umberto; JEFFERSON JÚNIOR; ROMEU. Você partiu meu coração. Wikipédia. Disponível em: . Acesso em: 3 jul. 2017.

TEPEDINO, Gustavo. A disciplina civil-constitucional das relações familiares. In: TEPEDINO, Gustavo. Temas de direito civil. 2 ed. Rio de Janeiro: Renovar, 1999. p. 341

TUPINAMBÁ, Roberto. O cuidado como princípio jurídico nas relações familiares. In:

PEREIRA, Tânia da Silva; OLIVEIRA, Guilherme de. O Cuidado como Valor Jurídico. Rio de Janeiro: Forense, 2008.

VILELA. João Batista. Desbiologização da Paternidade. Revista da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, n. 21, maio 1979.




DOI: http://dx.doi.org/10.26668/IndexLawJournals/2526-0227/2017.v3i2.2377

##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.