O EXTERMÍNIO DA JUVENTUDE NEGRA NO BRASIL: INDAGAÇÕES À LUZ DE “O ESTRANGEIRO”.

Ismar Barbosa Nascimento Junior

Resumo


O presente artigo busca apontar similaridades entre o discurso assente na “Filosofia da Libertação”, cunhada por Enrique Dussel, e chamada “Teoria Agnóstica da Pena”, desenvolvida por Eugenio Raul Zaffaroni. A partir desses referenciais teóricos, surge o objetivo geral desta exposição: encontrar na obra “O Estrangeiro”, de Albert Camus, a presença dos dois marcos teóricos, explorando as possibilidades de ampliação do sentido da obra citada. Por outro lado, o objetivo específico deste artigo: correlacionar a figura do “estrangeiro” com o extermínio da juventude negra no Brasil.

 


Palavras-chave


Filosofia da Libertação; Teoria Agnóstica da Pena; O Estrangeiro; extermínio da juventude negra.

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. Estado de Exceção; tradução de Iraci D. Poleti. - São Paulo : Boitempo, 2004.

_______________ Homo Sacer

BALKIN, Jack. Transcendental Desconstruction, Transcendent Justice. Mich. L. Rev. 1131 1994

BARTHES, Roland. O Rumor da Língua. 2ª Ed. São Paulo: Martins Fontes, 2004

CAMUS, Albert. O Estrangeiro. Tradução de Valerie Rumjanek. 28ª Ed. – Rio de Janeiro: Record, 2007.

CARVALHO, Salo de. Antimanual de Criminologia. 5 ed. – São Paulo: Saraiva, 2013.

CERQUEIRA, Nelson. Teoria do Texto como Expressão do Significado. Bahia Noticias, 29 de nov de 2014. Disponível em . Consulta em 03/12/2016.

COSTA, Joaze Bernardino. GOSFÓGUEL, Ramón. Decolonialidade e perspectiva negra. Soc. estado. vol.31 no.1 Brasília Jan./Apr. 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-69922016000100015. Consulta em 15/09/2017.

CRUZ, Cíntia. Família de morto na Rocinha denuncia que PMs 'chegaram atirando durante baile funk'.Extra. 24.03.2018 Disponível em https://extra.globo.com/casos-de-policia/familia-de-morto-na-rocinhadenuncia-que-pms-chegaram-atirando-durante-baile-funk-22523401.html. Consulta em 26/03/2013.

FOUCALT, Michel. A Ordem do Discurso.: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de setembro de 1970. Trad. Laura Fraga de Almeida Sampaio – 24. Ed. São Paulo: Edições Loyola, 2014.

GODOY, Arnaldo Sampaio de Moraes. Direito & Literatura: ensaio de síntese teórica. Porto Alegre, Livraria do Advogado Editora, 2008.

GÓES, Luciano. A tradução de Lombroso na Obra de Nina Rodrigues: o racismo como base estruturante da criminologia brasileira. – 1 ed. Rio de Janeiro, Revan, 2016.

HULSMAN, Louk. CELIS, Jacqueline Bernat de. Penas Perdidas. O sistema Penal em Questão. 1ed. , Rio de Janeiro, Luam Editora Ltda, 1993.

KARAN, André et al. Direito e Literatura: reflexões teóricas. Porto Alegre. Livraria do Advogado Editora, 2008.

LOMBROSO, Cesare. O homem delinqüente; tradução Sebastião José Roque. — São Paulo :Ícone, 2013.

ZAFFARONI, Eugenio Raúl. Em busca das penas perdidas: a perda da legitimidade do sistema penal. Tradução: Vania Romano Pedrosa. Rio de janeiro, Revan, 2017, 5ª Edição.

BRASIL. Senado Federal. Relatório Final. CPI Assassinato de Jovens. Relator: Senador Lindembergh Farias. Brasília, 2015.

DUSSEL, Enrique. Filosofia da Libertação na América latina. Edições Loyola, São Paulo, 1977.

_________ Homo Sacer. O Poder do Soberano e a Vida Nua. Tradução: Henrique Burigo. Belo Horizonte, Editora UFMG, 2002.

FOUCALT, Michel. Em Defesa da Sociedade: curso no Collége de France Tradução: Ermantina Galvão. São Paulo, Martins Fontes, 1999.

MIGLIEVICH-RIBEIRO, A. M. Por uma razão decolonial: desafos ético-político-

epistemológicos à cosmovisão moderna. Civitas – Revista de Ciências Sociais . v. 14, n. 1,p.66-80, Porto Alegre,2014. Disponível em . Consulta em 27/03/18.

ONU. Organização das Nações Unidas. Vidas Negras Importam. Disponível em https://nacoesunidas.org/vidasnegras/. Consulta em 25/03/2018.

Brasil. “Chacina de Vigário Geral faz 23 anos: 'Vingança não nos pertence', diz viúva”. G1.Globo. 29/08/2016. Disponível em. Consulta em 26/03/2018.

LISBOA, Vinicius. Quatro anos após morte e desaparecimento de Amarildo, família não foi indenizada. EBC Agência Brasil, 14/07/2017. Disponível em: . Consulta em 26/03/2018.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do Poder e Classificação Social. in Epistemologias do Sul / org. Boaventura deSousa Santos, Maria Paula Meneses. – (CES). ISBN 978-972-40-3738-7. Edições Almedina S.A, Coimbra, 2009.

MBEMBE, Achille. Necropolítica seguido de sobre el gobierno privado indirecto. Traducción, Elisabeth Archambault. Editorial Melusina, Salamanca, 2011.

AUTOR. Quem Somos. Reaja ou seja Morto, Reaja ou seja Morta. Disponível em http://www.reajaouseramortx.com/p/quem-somos.html. Consulta em 28/04/18.

SOUZA, Murilo. CPI conclui que há “genocídio simbólico” contra jovens negros no

País. Câmara Notícias. 27/04/2015. Disponível em: Consulta em 28/03/18.

WAISELFISZ, Julio Jacobo. Homicídios e Juventude no Brasil. Mapa da Violência 2013.Secretaria-Geral da Presidência da República, Brasília, 2013.Disponívelem:www.mapadaviolencia.org.br/pdf2013/mapa2013_homicidios_juventude.pdf. Consulta em 28/04/2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.26668/IndexLawJournals/2525-9911/2018.v4i1.4321

##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.