Gênero e Pensamento Criminológico: Perspectivas a Partir de uma Epistemologia Feminista

Cássius Guimarães Chai, Kennya Regyna Mesquita Passos

Resumo


A pesquisa tem o objetivo de analisar, a partir de um referencial epistemológico feminista, o papel da Criminologia na produção/reprodução de relações de poder, estudando como a mulher foi percebida em diferentes correntes de pensamento sobre a sociologia do crime, entendendo que a adoção do gênero como categoria de análise contribui para a produção de um saber mais amplo nessa ciência, retirando da invisibilidade a relação das mulheres com o crime e o Sistema Penal. A metodologia utilizada consiste numa revisão bibliográfica que atravessa diversos campos do saber, como a história, a sociologia, a criminologia e as teorias feministas.

Palavras-chave


Epistemologia, Criminologia; Feminismo; Gênero; Mulher

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Vera Regina Pereira de. A ilusão de segurança jurídica: do controle da violência à violência do controle penal. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2003.

__________, Vera Regina Pereira de. Sistema Penal Máximo X Cidadania Mínima: codificação da violência na era da globalização. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2003.

__________, Vera Regina Pereira. A soberania patriarcal: o sistema de justiça criminal notratamento da violência sexual contra a mulher. Revista de Direito Público. N.17, Jul-Ago-Set/2007.

__________, Vera Regina Pereira. Do paradigma etiológico ao paradigma da reação social: mudança e permanência de paradigmas criminológicos na ciência e no senso comum. 2003. Disponível em: Acesso em 13 de maio de 2016

ANITUA, Gabriel Ignacio. História dos Pensamentos Criminológicos. Rio de Janeiro:Revan, 2008.

ARRUDA. Angela. Feminismo, gênero e representações sociais. Textos de História. Vol.8. nº112. 2000.

BARATTA, Alessandro. Criminologia crítica e crítica do Direito Penal. 3. ed. Rio de Janeiro: Revan, 2002.

BARATTA, Alessandro. O paradigma do gênero: da questão criminal à questão humana. In: CAMPOS, Carmen (Org.). Criminologia e Feminismo. Porto Alegre: Sulina, 1999

BATISTA, Vera Malaguti. Introdução crítica à criminologia brasileira. Rio de Janeiro: Revan, 2011.

BOURDIEU, Pierre. A dominação Masculina. 3. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

BOURDIEU, Pierre. Esboço de uma teoria da Prática. In: ORTIZ, Renato. Pierre Bourdieu: sociologia. São Paulo: Atica, 1983.

CAMPOS, Carmem Hein de. CARVALHO, Salo de. Tensões atuais entre a criminologia feminista e a criminologia crítica: a experiência brasileira.

Disponível em: < http://www.compromissoeatitude.org.br/wp-content/uploads/2014/02/1_8_tensoes-atuais.pdf> Acesso em 10 de junho de 2016.

CAMPOS, Carmem Hein de. O Discurso Feminista Criminalizante no Brasil: limites e possibilidades. 1988. 180f. Dissertação (Mestrado em Direito), Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis. 1998.

__________, Carmem Hein de. Teoria Crítica Feminista e Crítica à(s) Criminologia(s): estudo para uma perspectiva feminista em criminologia no Brasil.2013. Tese (Doutorado em Ciências Criminais). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Porto Alegre. 2013.

FACIO, Alda; CAMACHO, Rosalia.Em busca das mulheres perdidas – ou uma aproximação – crítica à criminologia. Cladem. Mulheres Vigiadas e Castigadas. São Paulo: 1995.

FERREIRA, Maria Luísa Ribeira. A mulher como o “outro”: a filosofia e a identidade feminina. Revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto. v.23-24, p.139-153, 2007.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

__________, Michel. Vigiar e Punir. Tradução de Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes, 1987.

__________, Michel. História da Sexualidade, v. I. A vontade de saber. Trad. Maria Tereza da Costa Albuquerque. Rio de Janeiro: Graal, 1984

GUARESCHI, Pedrinho A. Sociologia crítica: alternativas de mudança. 46ªEd. Porto Alegre: EDPUCCRS, 1999.

HARAWAY, Donna. Saberes Localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu (5) 1995

HARDING, Sandra. Ciencia y Feminismo. Madrid: Moratas, 1996.

KRAMER, Heinrich; SPRENGER, James. O martelo das feiticeiras.22. ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2011.

LARRAURI, Elena. La herencia de la criminologia crítica. Madrid, SigloVeintiuno, 1991

LEMGRUBER, Julita. Cemitério dos Vivos: análise sociológica de uma prisão de mulheres. Rio de Janeiro: Achiamé, 1983.

LOURO. Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação. Uma perspectiva pós-estruturalista. São Paulo. Editora Vozes. 1997.

MARTINS, Simone. A mulher junto às criminologias: de degenerada à vítima, sempre sob controle sociopenal. Fractal: Revista de Psicologia, v. 21 – n. 1, p. 111-124, Jan./Abr. 2009.

MARTINS, Vicente de Paula Silva. A Seletividade e a Estigmatização no Sistema Penal. Revista Júris Itinera, São Luís: Jan/Dez, n. 06, 1999, p. 186.

MENDES, Soraia da Rosa. Criminologia feminista: novos paradigmas. São Paulo: Saraiva, 2014.

ROXIN, Claus. A proteção de bens jurídicos como função do Direito Penal. org. e trad. André Luís Callegari, Nereu José Giacomolli. 2 ed. Proto Alegre: Livraria do Advogado Editora, 2009.

SAFFIOTI,Heleieth; Almeida, Suely S. de. Violência de gênero: poder e impotência, 1995.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Revista Educação e Realidade, Porto Alegre. v. 16, n. 2, jul.-dez. 1999.

SILVA. Mayana Hellen Nunes da. Do riso fez-se o pranto:Técnicas de produção do gênero nas notícias de violência em relações afetivas e sexuais no Jornal Pequeno. 2013. 105f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais). Universidade Federal do Maranhão. São Luís. 2013.

ZAFFARONI, E. Raúl. BATISTA, Nilo. Direito Penal Brasileiro: Teoria Geral do Direito Penal. 4. ed. Rio de Janeiro: Revan, 2011, 1v.




DOI: http://dx.doi.org/10.26668/IndexLawJournals/2526-0065/2016.v2i2.1460

##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.