O SOLIPSISMO NAS DECISÕES JUDICIAIS PRODUZIDAS NO PARADIGMA DA FILOSOFIA DA CONSCIÊNCIA E A EXIGÊNCIA DEMOCRÁTICA DA HERMENÊUTICA

Mariana Schalanski, Santiago Artur Berger Sito

Resumo


O presente trabalho pretende iluminar a temática das decisões judiciais, no Brasil. Adota, como “método”, a fenomenologia hermenêutica, para compreender a forma de decidir processos judiciais, implicando na adoção de determinados entendimentos. Após compreender a lógica temporal que desembocou o ordenamento jurídico nas condições atuais, efetua-se um giro para dizer das condições da decisão, da autonomia do direito, da crença/aposta na discricionariedade judicial e da construção de um “senso comum teórico” que se satisfaz com essa lógica antidemocrática. Por fim, conclui-se que apenas com a vigilância dos pressupostos hermenêuticos se protegerá a fragilizada autonomia do Direito, atendendo à exigência democrática.

Palavras-chave


Autonomia do direito; Ativismo judicial; Hermenêutica filosófica

Texto completo:

PDF

Referências


ALEXY, Robert. Constitucionalismo discursivo. Tradução de Luís Afonso Heck. 2.ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2008.

BAUMAN, Zygmunt. Tempos líquidos. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007, p.7

BERCOVICI, Gilberto. Ainda faz sentido a constituição dirigente? Revista do Instituto de Hermenêutica Jurídica: 20 anos de constitucionalismo democrático – e agora? Porto Alegre, vol. 1, n. 6, p.149-162. 2008.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Vade Mecum 12º ed. São Paulo: Saraiva 2014.

CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Constituição dirigente vinculação do legislador. Contributo para a compreensão das normas constitucionais programáticas. 2ª ed. Coimbra: Coimbra Editora, 2001.

______. Direito Constitucional e Teoria da Constituição. 3ª ed. Coimbra: Almedina, 2006; e 2000.

CAPPELLETTI, Mauro; GARTH, Bryant. Acesso à Justiça. Tradução de Ellen Gracie Northfleet. Porto Alegre. Sérgio Antônio Fabris, 2002.

CATTONI DE OLIVEIRA, Marcelo Andrade. Direito, política e filosofia: contribuições para uma teoria discursivo da constituição democrática no marco do patriotismo constitucional. Rio de Janeiro: Lumens Juris, 2007.

FARIAS, José Eduardo. As novas formas e funções do direito: nove tendências. In: Sociologia Jurídica: direitos e conjuntura. 2. Ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

FERRAJOLI, Luigi. Derechos y garantias: La ley del más débil. Traducción de Perfecto Andrés Ibáñez y Andrea Greppi, 3a. ed. Madrid, Trotta, 1999.

______. Sobre los derechos fundamentales. Tradução de Miguel Carbonell. In: CARBONELL, Miguel (Org.). Teoría del neoconstitucionalismo: ensayos escogidos. Madrid: Trotta, 2007.

GALEANO, Eduardo. Veias Abertas da América Latina. Tradução de Sergio Faraco. Porto Alegre: L&PM, 2010.

GARCÍA-PELAYO, Manuel. As transformações do estado contemporâneo. Tradução de Agassiz Almeida Filho. Rio de Janeiro: Forense, 2009.

HEIDEGGER, Martin. Ser e Tempo. 3 ed. Tradução de Márcia de Sá Cavalcante Schuback. Petrópolis: Vozes, 2008.

HESSE, Konrad. A Força Normativa da Constituição. Porto Alegre: Sérgio Antônio Fabris, 1991.

HOBSBAWN, Eric. Tempos interessantes: uma vida no século XX. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

KUHN, Thomas. A estrutura das revoluções científicas. 6ª ed. São Paulo: Perspectiva, 2001.

KELSEN, Hans. Teoria pura do direito. Tradução de João Baptista Machado. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

LÓPES MEDINA, Diego Eduardo. Teoría impura del derecho: La transformación de la cultura jurídica latino-americana. Bogotá: Legis, 2004.

LUCAS, Douglas César. Hermenêutica Filosófica e os limites do acontecer do direito numa cultura jurídica aprisionada pelo “procedimentalismo metodológico”. In: LUCAS, Douglas César (Org.) Olhares hermenêuticos sobre o direito. Ijuí: Unijuí, 2007.

LYOTARD, Jean-François. O Inumano: considerações sobre o tempo. Tradução de Ana Cristina Seabra e Elisabete Alexandre. Lisboa: Estampa, 1990.

MOTTA, Francisco José Borges. Levando o direito a sério: uma crítica hermenêutica ao protagonismo judicial. 2. ed. rev. e ampl. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2012.

NUNES, Dierle José Coelho. Processo jurisdicional democrático. Curitiba: Juruá, 2011.

BAPTISTA DA SILVA, Ovídio. Verdade e Significado. In: ROCHA, Leonel Severo; STRECK, Lenio Luiz. Constituição, Sistemas Sociais e Hermenêutica. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2005.

ROCHA, Leonel Severo. Da epistemologia jurídica normativista ao construtivismo sistêmico. In: ¬SCHWARTZ, Germano; CLAM, Jean. Introdução à teoria do sistema autopoiético do direito. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2005.

SALDANHA, Jânia Maria Lopes. Constituir a Constituição para a cidadania: A Compreensão e a Linguagem na Nova Crítica do Direito Afastando os Mitlaufers Jurídicos. In: Olhares Hermenêuticos sobre o Direito: em busca de sentido para os caminhos do jurista. Org. Douglas Cesar Lucas – Ijuí: Unijuí, 2007.

STEIN, Ernildo. Racionalidade e Existência: O ambiente Hermenêutico e As Ciências Humanas. 2ª ed. Unijuí, 2008.

STRECK, Lenio Luiz. Aplicar a letra da lei é uma atitude positivista? Revista Novos Estudos

Jurídicos – Eletrônica, vol. 15, n.1, p.158-173. Disponível em http://www.univali.br/seer/index.php/nej/article/view/2308. Acesso em: 20 abr.2015.

______. Hermenêutica Jurídica e(m) crise. 8ª ed. Livraria do Advogado, 2009.

______. O que é isto – decido conforme minha consciência? Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2010.

______. Verdade e consenso: constituição, hermenêutica e teorias discursivas. 4ª. Ed. São Paulo: Saraiva, 2011.

STRECK, Lenio Luiz; BOLZAN DE MORAIS, Jose Luis. Ciência política e teoria do estado. 7. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2010.

TASSINARI, Clarissa; BRAVO, Efendy E. M.; DEMRMMAM, Marina R.; KOCHE, Rafael; PINTO, Rafael S; sob orientação de Lenio Luiz Streck, Jose Luis Bolzan de Morais. Estudos sobre (neo)constitucionalismo. São Leopoldo: Oikos, 2009.

TASSINARI, Clarissa. Jurisdição e Ativismo Judicial: Limites da atuação do Judiciário. Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora, 2013.

VIANNA, Luiz Werneck; CARVALHO, Maria Alice R de; MELO, Manuel P. Cunha; BARGOS, Marcelo B. A judicialização da política e das relações sociais no Brasil. Rio de Janeiro: Revan, 1999.




DOI: http://dx.doi.org/10.26668/IndexLawJournals/2526-0103/2017.v3i1.2171

##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.